Buscar
  • Paulo de Oxalá

Peixe, importante para Orí (cabeça)


No Candomblé o ẹja (peixe) simboliza equilíbrio e tranquilidade. Por esse motivo, ele é dos alimentos utilizados nos rituais de Bọrí (comida à cabeça). Assim como o ìgbín (o caramujo sagrado de Òṣàlá – Oxalá), o peixe é oferecido nos momentos em que a paz se faz necessária. Nadando com movimentos, elegantes e firmes o peixe, mesmo em cardume tem um deslumbrante equilíbrio que impede que haja choque e confusão entre si. O objetivo do seu oferecimento é para proporcionar o controle emocional e proteger de todo tipo de perigo.


Pelo seu sangue ser considerado Òtútù mímọ́ (frio e puro), o peixe é um alimento que pode ser consumido como acompanhamento nas refeições durante o período de resguardo ritualístico.


A classificação de origem é: ẹja omi iyọ̀ (peixe de água salgada) ou ẹja omi dùn (peixe de água doce).


Os ẹja òkun (os peixes do mar) pertencem a Yemọjá. O próprio nome Yemọjá provém do yorùbá: Yèyé (mãe) ọmọ (filho) ẹja (peixe)=Yemọjá (mãe dos filhos peixes).

Já os ẹja omi dùn (peixes de água doce), pertecam a Ọ̀ṣun, a Senhora das fontes dos rios e cachoeiras.


No Candomblé durante o período de resguardo ritualístico a carne de peixe é o alimento consumido como acompanhamento nas refeições.


Além de toda essa importância ritualística o peixe é avaliado pelos nutricionistas com um dos alimentos mais saudáveis.


Tí dára jùlọ (Que ótimo!)


Ẹja ló nṣèwà fún orí (O peixe traz sorte para a cabeça!)


Axé!



669 visualizações

Todos os Direitos Reservados a Paulo de Oxalá

R. das Laranjeiras, Rio de Janeiro - RJ

+55 (21) 2556-9009

+55 (21) 99400-7107

paulodeoxala@uol.com.br

Tags: Babalorixá, Simpatia, Búzios, Tarot e numerologia

  • Instagram ícone social
  • YouTube Social  Icon
  • Facebook Basic Square
WhatsApp-icon.png